quarta-feira, 26 de maio de 2010

Para quem merece

Ontem, deambulava eu pelos blogues, como é habitual à hora de almoço, quando li uma frase num deles que resume aquilo em que eu acredito, mas, paradoxalmente, nunca faço. A frase era: «não tratemos como prioridade, quem nos trata como opção».

A frase passou todo o dia a matraquear na minha cabeça. Na minha vida tenho sido vezes demais a opção de muita gente, referindo-me a amizades, claro está. Pessoas de quem eu gosto bastante, que me tratam como segunda escolha ou opção, ou que se lembram de mim, em penúltima instância.

Com o amadurecimento, percebo que, cada vez menos, posso confiar nas pessoas com quem senti uma forte empatia inicial. E, se quando era adolescente, só firmava amizades com pessoas de quem tinha "gostado" da cara (costumava dizer que quando olhava para alguém sabia logo se gostava ou não), cada vez mais percebo que há pessoas com quem sentimos empatia e que se tornam valiosas amigas, há aquelas com quem a coisa funciona bem, durante uns tempos, e, por fim, há os que nos surpreendem e cuja amizade vai-se desenvolvendo com a descoberta de personalidades e de pontos de referência. Estes são os que acabam por ficar mais tempo nas nossas vidas.

Fico triste por perceber que hoje em dia é difícil fazer amigos. Cada um tem a sua vida e parece que as pessoas se esquecem do outro, que se recusam a partilhar, a conviver. Custa-me que não haja convites para estar junto. Se eu quero almoçar com amigos, convido-os para cá virem a casa, mas não há depois um retorno, nada. Hoje em dia há muito egoísmo e ingratidão. Já poucas pessoas fazem coisas pelos outros por amizade, por desinteresse. E parece-me que sou sempre eu a enganada, a desiludida, a que nunca aprende.

Ontem, aquela frase fez todo o sentido. E, pela primeira vez, recusei o irrecusável, fui firme e coloquei-me como a minha prioridade número um.

Tenho uma amiga recente com quem partilho muita coisa. Trabalhamos juntas e somos amigas há cerca de dois anos e meio. Ela sabe imensa coisa sobre mim, inclusivamente, segredos incontáveis. Nunca fomos a casa uma da outra e a nossa amizade subsiste pelo contacto diário e por telefonemas e inúmeras mensagens nas férias. A amiga teve bebé, um bocadinho antes de tempo. Precisamente num fim-de-semana em que eu cá não estava. Como não a pude visitar na maternidade, como tínhamos combinado (ela sabia que a minha escapadinha estava marcada há meses), fiquei de ir lá a casa. Que eu não sei onde fica. Entretanto, como o bebé dá noites más, a visita ficou adiada, «até ele ter um mês». Pois já tem. Quando tínhamos uma data aprazada, a amiga disse que teria de adiar, porque a empregada estava lá em casa nesse dia. A semana passada voltámos a combinar que seria esta quarta-feira. Telefonei-lhe na semana anterior, para ultimar pormenores. Ela não atendeu. Mandou mensagem a dizer que ligava na sexta. Não ligou, nem no fim-de-semana, nem na segunda. E ontem, minutos depois de ler a dita frase, mandou-me uma mensagem a perguntar se sempre ia visitá-la no dia seguinte. Fiquei furiosa: além de ser incapaz de cumprir o que prometeu, veio com uma desculpa que não tinha ligado, por que lhe dava mais jeito falar ao telefone só de manhã, por causa de o bebé poder acordar durante a sesta, ao ouvir a voz dela. (os sms não fazem barulho, pois não?).

Fiquei mesmo chateada. Não gosto que se comprometam comigo e que não cumpram. E começou a fazer-me parecer que a única interessada no encontro estava a ser eu. Mandei então um sms de resposta, dizendo que não estava a contar ir visitá-la. Que tinha essa vontade e essa intenção, mas que, perante a ausência de resposta da parte dela, até aquele momento, tinha pensado que ela já teria outros planos. Que combinaríamos outro dia, quando lhe fosse mais oportuno.

Então, desculpem lá, eu vou sair a correr do trabalho, calcorrear quilómetros, andar à procura em plena cidade de um sítio que eu nem conheço, só para ir a casa de quem parece que não me quer receber? Andei eu a fazer peditórios na escola, para comprarmos uma prendinha para a criança (a minha já está comprada há tanto tempo que daqui a pouco não vai servir...), ando eu a telefonar, a combinar, para ficar sem resposta durante uma semana? Vou eu abrir mão de uma tarde que posso aproveitar para adiantar trabalho, para isto?

Não obstante, fiquei cheia de remorsos. Eu gosto desta amiga. E não entendo porque é que as coisas me acontecem sempre a mim. Se não lhe apetece que eu lá vá, porque sugere uma visita? Se não está com vontade de ver ninguém, por que é que não diz? Eu própria a coloquei à vontade nesse sentido. Para que é isto? Este tipo de atitudes só me fazem ficar aborrecida e constatar que eu desperdiço muito do meu tempo com pessoas que não sabem dar valor. Eu não sou de guardar rancores, mas fiquei triste, pronto. Vai passar-me, vou lá ver o bebé e vou voltar a cair no mesmo erro, vezes e vezes, sem conta.

Mas hoje fiquei por aqui. Pelo menos hoje, eu só estou para quem merece!

Um comentário:

Rita C disse...

Amiga.... eu já pensava que este blog estava encerrado... que bom teres voltado... que bom saber de ti aqui... que bom... que bom... e sempre com assuntos que mexem tanto aqui na minha cabecinha... será que é por sermos sagitarianas que somos assim???

Beijos

Rita